fevereiro 02, 2008

Fragmentos do Passado

À medida que os anos passam a vida complica-se. Tudo se resume numa só palavra: problemas! Queremos crescer, ser livres e independentes, mas não queremos ter problemas. Que ilusão! A vida é mesmo assim, uma ilusão passageira que culmina com a morte. O que haverá além da morte? Nada?! Tudo?! Não sei! Sei apenas que, neste momento, estou incluída naquilo a que chamamos, justa ou absurdamente, realidade. Então também eu tenho sonhos e o maior deles é ser feliz. Em abono da verdade, isso é algo que para mim não existe. No entanto, teimo em sonhar com algo em que, no fundo, não acredito. Que inútil! É nesta realidade que vivo na solidão, todos aqueles que amo acaba por os abandonar ainda que muitas vezes de forma involuntária. Como diz o poeta: "para dizer adeus ao mundo vim!".

Toda esta tristeza abala o meu coração, mas porque ainda não é suficiente, o que estão por perto perdem-se por caminhos onde a escuridão se associa à cegueira. E outros estão a meu lado apenas para decorar o que me rodeiam. Funcionam como peças decorativas, não sei porquê mas a verdade é que o fazem. É duro sentir isto na pele.

Solidão...solidão...e solidão! É a palavra que melhor descreve o que sinto!

Como todos os seres humanos, eu não conheço o dia de amanhã. É como uma noite escura que se vai revelando à medida que vamos confiando e seguindo em frente. Porém, tenho medo, um sentimento característico de todos os que vivem e eu não sou diferente, também tenho medos. E agora mais do que nunca, porque estou ainda no princípio da vida, tenho muito para aprender e, mesmo assim, me confrontam com situações difíceis. Por isso tenho medo, medo de me magoar, medo de magoar...no fundo, medo de voltar a cair e ter que me erguer sozinha com as minhas próprias forças. Mais uma queda seria demais para uma só pessoa!

Então, resta-me acreditar em algo que me é superior e pensar que esse ser ou essa força me ajudarão no futuro. Quero esquecer os meus medos e acreditar que não vou tropeçar. Quero olhar para o caminho que tenho a percorrer e ver que não tem buracos possíveis ou imaginários nos quais eu possa cair e não mais me levantar. Repentinamente, vislumbro à minha frente um caminho recto e plano, rodeado pelo esplendor da Natureza, algo que me enriquece e me engrandece. Não por vaidade, mas porque esta visão é bela, é a realidade onde eu queria ficar, pelo menos, por breves momentos.

Quero pedir ao meu anjo da guarda (se é que tenho) que me proteja de qualquer mágoa, mas que não me proteja da realidade. De facto, amigo não é aquele que nos alegra com mentiras, mas aquele que nos entristece com verdades. E, do meu ponto de vista, o meu anjo da guarda é, acima de tudo, um amigo. Mas na vida é mesmo assim...umas vezes venci, outras fui derrotada, mas todas essas experiências me ensinaram uma lição que guardo orgulhosamente comigo. Apesar do que significaram, foram pequenas conquistas que fiz e que levo comigo para a vida!

Tudo o resto são incertezas, tudo o resto são somente dúvidas de um pobre ser humano que não é nada mais do que aquilo que aparenta ser. A vida continua...

Sem comentários: