maio 19, 2010

À espera de um Happy ENd

Carta a...



"Um dia vou escrever-te uma carta dizendo tudo aquilo que nunca tive coragem de te dizer… Vais perceber o que sinto e o que realmente significas para mim… A importância que tens na minha vida… Às vezes, penso que nunca me levaste a sério nem acreditaste nos sentimentos que teimei em te mostrar… Mas tinhas razão… Hoje sei que as palavras nao valem nada… Na verda de, tantas são aquelas jogadas fora, esquecidas no tempo, sem valor… Mas a minha carta vai ser diferente… E sei que te fará pensar, pelo menos durante o tempo em que a estiveres a ler… Eu conheço-te… Sei que por detrás dessa máscara de mau esta alguém cheio de n obres sentimentos, e que gosta de mim da mesma maneira que eu gosto de si, mas tem medo…

Um dia vou escrever-te uma carta dizendo que cheguei a acreditar que eras a outra metade de mim… Ainda hoje acredito, aliás… Nao é todos os dias que se encontra alguém com quem gostamos de estar, de conversar, alguém que nos compreende e que, embora diferente, seja tão parecido connosco…

Um dia vou escrever-te uma carta dizendo que sempre acreditei na grandeza dos laços que nos unem… Vou perguntar-te se nunca pensaste no facto de sempre nos termos dado melhor quando estavamos juntos do que quando estavamos afastados…

Um dia vou escrever-te uma carta dizendo que sempre esperei muito de ti, que sempre acreditei nas tuas qualidades, e desvalorizei os teus defeitos… Vou dizer-te que sempre te achei especial, que me fizeste rir tantas vezes quando estava triste, mas também chorar quando estava contente…

Um dia vou escrever-te uma carta dizendo que, apesar da liberdade com que sempre sonhei, fantasiei uma vida em conjunto contigo, imaginei-me a teu lado, rodeada de filhos… No fim de contas, não é uma aspiração legítima para quem ama?

Um dia vou escrever-te uma carta dizendo que te amo, e que sempre te vou amar, mas que não consigo viver mais na incerteza… Vou dizer-te que para mim nao existe meio termo e que o amor tem de ser vivido na sua plenitude, sem receios, sem medo de nos magoarmos…

Um dia vou escrever-te uma carta dizendo que és tudo para mim, mas que já não dá mais… Vou dizer-te que há alturas na vida em que toda a gente necessita de estabilidade… Vou encher-te de perguntas para tentar perceber o que não resultou, embora há muito que saiba a resposta… Vou dizer-te que sempre esperei que desses mais de ti e te entregasses mais…

Um dia vou escrever-te uma carta dizendo que foi contigo que passei os melhores momentos da minha vida… Vou dizer-te que fui feliz quando estive contigo, mas triste quando estavamos separados… Vou dizer-te que sempre quis entrar na tua vida, mas que tu nunca permitiste que isso acontecesse…

Um dia, quando tiver coragem, vou escrever-te uma carta para que percebas, de uma vez por todas, que desperdiçaste o que de melhor havia entre nós, mesmo sem te teres apercebido... Vou dizer-te que me fizeste perder uma parte de mim, a mais genuína e verdadeira, aquela que nunca mais deixará que me entregue a outra pessoa da mesma forma…

Um dia vou escrever-te uma carta dizendo que as portas do meu coração se fecharam, para ti e para toda a gente… E vou dizer-te que, ao mínimo sinal da tua parte, voltarei a abri-las… Porque o amor é isso mesmo…espera e dedicação total!

Um dia vou escrever-te uma carta…"





Resposta de...


"Um dia quando receber a tua carta vou deixar-me pensar em tudo aquilo que sempre sonhei mas que tive medo de me envolver. Vou perceber realmente aquilo que significas para mim, que sempre significaste e que sempre releguei para o sótão das minhas lembranças com medo de me expor, de me fragilizar, de ser o elo mais fraco… Eu sei que pensarei nas tuas palavras escritas mais do que naquelas que trocámos entre sorrisos ingénuos e olhares infinitos, sei que aquelas linhas me marcarão tanto como ao papel branco que lhes dá vida e que a perde por ser o mensageiro da tristeza. Sei que pensarei nelas mais e mais e ainda uma outra vez procurando sem pressas no que se desfaz o emaranhado em que a minha vida se tornou…

Um dia quando receber a tua carta vou ter pena de nunca te ter dito que sempre acreditei que eras a metade do meu eu incompleto. Que me convenci que por isso devias saber, devias senti-lo tão so como eu o senti vezes sem conta mas nunca te disse. Foi tão bom sentir que e possível haver alguém a quem não se precise de dizer nada, dar explicações ou desculpas, apenas estar, sentir, viver!...

Um dia quando receber a tua carta vou querer gritar-te que o afastamento que por vezes alimentámos era somente o avesso dos momentos em que estivemos juntos e como cada pano tem um avesso também o nosso afastamento é único e mágico e eleva ainda mais o que por ti sinto…

Um dia quando receber a tua carta vou dizer-te, sem chorar, que sempre te senti lá, à minha espera, que sempre me fizeste sentir tão especial e únicoe se calhar por isso deixei-me voar sem perceber que eras tu as minhas asas…

Um dia quando receber a tua carta vou ter pena de nunca te ter dito que às vezes, nas tardes de Verão, quando os meus olhos brilham por detrás de uma sombra interrompida, dou por mim a imaginar como serão bonitos os filhos que havemos de ter…

Um dia quando receber a tua carta vou ter de te confessar que o teu amor me encheu as medias, me fez sentir o homem mais feliz deste planeta, me fez sentir tao bem que tive medo de baixar a guarda, de me tornar patético de tão babado. Vou ter que te dizer que sempre resisti a esbugalhar-te essas bochechas e a apertar-te com uma força infinita, a fazer-te rodopiar no espaço e a cair contigo num colchão de nuvens, a gritar alto que te quero muito, que sempre te quis, sempre…

Um dia quando receber a tua carta vou tentar lembrar-te se ao menos terei sorrido abertamente quando me acariciaste, se nao cerrei os olhos quando me olhaste de frente e me deixaste ver o infinito dos teus e do teu ser, vou tentar lembrar-me se em todos aqueles momentos únicos que passámos teria sido possivel eu ter passado, um sinal que fosse, da felicidadeque então vivi, tão única e tão especial…

Um dia quando receber a tua carta vou saber que de nada vai adiantar tentar explicar-te que sempre deixei para amanhã as coisas que tinha planeado contigo, que sempre achei que teríamos uma vida inteira pela frente, que, estupidamente, deixei o “hoje” escorrer-me por entre os dedos, que nada nem ninguém é mais culpado que eu próprio, eu e o meu medo de ser eu…

Um dia quando receber a tua carta vou a correr bater às portas do teu coração, deixar para trás este orgulho hediondo que me sufoca, rir-me daqueles que hão-de gozar com a minha figura de homem apaixonado, pateticamente apaixonado!

Um dia quando receber a tua carta…"





(...porque quero que seja diferente, porque isso depende de nós, e porque a última carta pode ser escrita com os nossos sorrisos e pelo amor...aquele, só nosso!)

Sem comentários: