junho 04, 2010

Sex and the City 2



Pois é. Mais uma vez o divertimento, o glamour e a amizade a serem fielmente retratadas neste filme. Gostei do filme, é o típico de filme ligth, que nos diverte, sobretudo para quem era fã incondicional da série.

Para mim, um filme de televisão e não de cinema que acabam por ser apenas mais uma extensão da brilhante série que lhe dá o moto. Faltam noções básicas de cinema num enredo nem sempre inspirado, com uma realização pouco cuidada. A gestão de tempo é o mais crítico no filme que foi esticado para lá do desejável, carecendo de dinamismo e ritmo na sucessão de episódios. "Vemos aqui uma inversão de estilo, marcado por um "liberalismo económico" que atravessa todo o filme, tornando-o um produto mais de "direita" do que, na verdade, a série que, embora com essa componente que reforçava o glamour e o luxo, dava maior ênfase a um outro "liberalismo", esse de "esquerda": o "liberalismo social", denunciando todas as hipocrisias do conservadorismo e defendendo as liberdades individuais. O ter essas duas componentes, tornava a série atractiva a pessoas com ideologias muito díspares."

Os diálogos são o grande trunfo, tal como na série, mostram-se incisivos, com sentido de humor e pontualmente geneais, acabando por envolver e empolgar o espectador. O glamour mantém-se com um desfile de modelos como se de uma passarelle se tratasse.

As protagonistas, apesar de acomodadas pela vida, continuam com os traços de carácter, que tornam as suas atitudes facilmente reconhecíveis e que um fã acompanha com a cumplicidade de uma antiga amizade; há sentimento melhor que este?

Sem comentários: