agosto 31, 2006

Depois do poema...



Ficam apenas as tristezas
E a insanidade do poeta
Que o atiram para as profundezas
Da sua alma que despoleta



Deixa o meu estado de espírito sobre ti flutuar,
Sentir o vento a soprar no meu rosto
Nas tuas águas agitadas penetrar
E dizer-te que é de ti que eu gosto!

Deixa que o espelho da minha alma
reflicta o desejo que atravessa o teu olhar.
Que as mãos naveguem por uma maré calma
E te ensinem a conjugar o verbo amar.

Deixa que o palpitar do meu coração
seja a luz que nos guia nesta caminhada
Que nos encante com os segredos da paixão
E não nos deixe nesta encruzilhada.

Deixa a minha voz elevar-se no vazio
Para te contar histórias de Luas mil
Aquelas que se sucedem num corrupio
E deixam qualquer apaixonado senil.

Deixa-te tocar pela luz do meu Luar
Olha as estrelas no céu a cintilar
Veste a minha pele de eterna apaixonada
E adormece nesta noite encatada.

E quando na luz do amanhecer
a brisa do mar teu corpo percorrer
sou eu que estou a chegar
Para ao Mundo gritar:

As luas passam,
porque têm que passar..
O amor fica,
porque quer ficar!


(Andreia)

Um olhar sobre a vila...de Marvão!

a EsTrAdA da EtErNiDadE...


Quero caminhar...caminhar...até à eternidade! Deixa-me percorrer esta estrada a teu lado...

Janela para a Mãe Natureza

agosto 24, 2006

"As Luas passam....o amor fica!"

agosto 22, 2006

"When you think I've loved you all I can ...

... I'm gonna love you a little bit more"

O regresso...


de férias...