setembro 21, 2005

há SEMPRE...

Mas há sempre uma candeia
dentro da própria desgraça
há sempre alguém que semeia
canções no vento que passa
Mesmo na noite mais triste
em tempo de sevidão
há sempre alguém que resiste
há sempre alguém que diz NÃO
Excerto de Trova do Vento, Manuel Alegre

Sem comentários: