abril 18, 2006

Até sempre...ou até já!

Vive-se um momento de dor, de consternação até, com a notícia, que caiu que nem uma bomba, de um acidente de automóvel que não perdoou a vida a um jovem de apenas 22 anos. Notícias destas repetem-se ao longo dos anos, sendo esta uma das causas de morte mais frequentes, sobretudo entre os jovens. Mas este fenómeno ganha maior dimensão quando se trata de uma pessoa que todos nós conhecemos: uns mais, outros menos; uns directa, outros indirectamente. Francisco Adam, o famoso Dino-man, entrava-nos em casa, praticamente todos os dias, com o seu característico bom humor e uma pitada de rebeldia saudável…assim nos encantava e nos prendia à “caixinha mágica”. Crianças, jovens, adultos, velhinhos…todos o viam e o admiravam!
Numa situação destas é difícil ficar indiferente, é difícil acertar a perda de qualquer vida, mas sobretudo quando se trata de alguém tão jovem, tão cheio de vida, tão talentoso e tão “próximo”. “Parece que ainda não acredito que isto aconteceu”, é uma frase repetida vezes sem conta por todos, todos, independentemente da ligação que mantinham com o jovem actor. São muitas as homenagens prestadas, mas nada nem ninguém pode atenuar a dor que se sente, sobretudo aquela que é sentida por familiares, amigos e colegas de trabalho. No entanto, é a única forma que temos para partilhar a dor com os “seus”, para mostrar o carinho que sentimos pelo Francisco (e pelo seu trabalho) e o modo como esta situação trágica nos afectou.
É por esse motivo que aqui estou eu a escrever uma vez mais sobre o Francisco, para lhe dizer um “até sempre”, porque ele estará nos corações dos seus familiares, amigos, colegas e fãs (muitos!) e será para sempre lembrado com um sorriso num rosto celestial e, como já disse no post anterior, será recordado como uma nova estrela que brilhará no céu todas as noites. Que a sua alma esteja em paz e que Deus o guie à sua nova morada e o ilumine o novo caminho que terá a percorrer, porque é difícil aceitar que algo de tão especial acaba assim, de um momento
para o outro, como se nunca tivesse existido.

Até sempre…ou até já!

1 comentário:

jacky disse...

É a p*** da velocidade :'(
Também vou ter saudades dele!